Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


MANUEL DE BARROS

Esta semana Manuel de Barros completou 90 anos. Nenhuma notícia, nenhum comentário, nenhuma manchete. Pra que, né?

Escrito por Gustavo de Castro às 13h46
[] [envie esta mensagem
]





EXTRA!

A história de um poeta anônimo no interior da Paraíba. No blog www.estuariope.blospot.com , de Samarone Lima.

 



Escrito por Gustavo de Castro às 12h19
[] [envie esta mensagem
]





ANTONIO PORCHIA

"Isso que chamam nada deve ser o melhor, porque o melhor do homem se alimenta disso que chamam nada." 

Escrito por Gustavo de Castro às 11h58
[] [envie esta mensagem
]





NA ESTRADA

Acocorado no chão vendo o tempo passar. Nada acontece nos Natais de todos mundo. Na estrada não passa carro não passa gente não passa nada. Nem caminhonete nem carona. Nos ouvidos, Bob Dylan, baixinho, sonssurrando. De repente, súbito, lá vem vindo o Nada com seu quatro-rodas novinho. E a cor do Nada é Amarelo prata! Daí levanto, "dou com o dedo" pedindo carona... O Nada pára. Eu entro e vamos juntos para o Nordeste, eu e o Nada, porque lá o Nada é mais alegre. É mais Azul.

Escrito por Gustavo de Castro às 11h48
[] [envie esta mensagem
]





SANDRA

Encontrei Sandra embriagada pela rua. Velha, abandonada , com aids, ex-detenta, ninguém quer papo com ela. Mas eu gosto de Sandra, a tatuada. Sempre que encontro com ela pela rua, sentamos na calçada e fumamos um cigarrinho. Daí ela me conta suas visões fantasmagóricas com os demônios. Ela pediu que quando morrer, eu a visite no cemitério e, sentado no seu túmulo, fume um cigarrinho.

 

MULHERES

Mulheres e palavras só não combinam mais do que mulheres, palavras e flores.

 

ANTONIO PORCHIA

"A alma nas coisas não é o que colocamos nelas".

 

ANO NOVO

Mais ano menos ano

que fizemos?

Nada de novo sob o sol?

Mas o mar avançou um palmo

dona Tereza teve menino-gêmeo

seu Mané marcou um golaço.

Mais ano menos ano

que fizemos?

Tiramos férias nas horas erradas

e não paramos para olhar o mar?

Fomos desagradáveis tímidos frescos

e outras merdas mais?

Sei lá o que fizemos neste ano

de menos ou de mais. O que sei

é que tão me chamando no portão

para ver o violino novo de Tião.

 

SONHO

Sonhei que voava por sobre o labirinto de Creta. Via o momento em que Teseu golpeava o bicho enorme. Lembro. Via uma lágrima de alívio descer nos olhos esbugalhados do Minotauro.

 

 DOCE ESPERA
 
Havia tanta luz nos olhos, no peito, nas mãos, no semblante, que o gato amarelo pulou nos braços dele para lhe roubar um pouquinho dela. No meio do seu peito está cravada uma lança vermelha de amor e distância. Ele sente por ela a emoção de quem olha as grandes montanhas. Sem adorno nos dedos, sem pintura nas unhas, ele e ela aguardam o momento de estarem no sopé a olharem os girassóis do cume. E de mãos dadas, subir subir subir...


Escrito por Gustavo de Castro às 10h15
[] [envie esta mensagem
]





QUANDO FOR A HORA

Deixa o amor morrer. Pois todo jogo tem direito a um fim. Também as flores morrem; também os ninhos caem; tudo vai, um dia, tudo voa...Mas mantém teus olhos acesos de horizonte e não desiste do amor. Porque, diz Manoel de Barros, um dia o sol virá abrir as pernas da manhã.

 

DIGA A SEU AMOR 1

Quando estamos juntos nosso fogo acende o sol.

 

JUAN GUELMAN

O avô mira a sua foto quando jovem. Vê tumbas escavadas na água. E com o reflexo, escreve poemas.

 

AMOR E DOR

A dor é uma pá que cava a vida para que ela seja profunda.

O amor é uma cova onde se enterram todos os que têm vida verdadeira.

 

ANTONIO PORCHIA:

"Estar com alguém verdadeiro é quase um milagre".

 

À MUSA

O mundo se deteve para ouvir teus cabelos.

 

PERGUNTAM-ME QUEM SOU: RESPONDO:

Sou mais uma casa aberta do que um porto seguro.

 

ABRACADABRA

Meio olhar basta para abrir a porta do amor.

 

 

AVELÃ

No porto, no dia em que parti, enxugastes minhas lágrimas com tua língua de avelã.

Depois, despetalastes minha boca com teus dentes de ouro.

 

DIGA PARA O SEU AMOR 2

Vem para os meus braços dormindo que te farei sonhar sem medo, bem juntinho de mim, o sonho de ser tu mesma.

 

OMOPLATA

Guardo a curva macia de um omoplata além-mar. E tenho tanto amor pelo omoplata dela, que dele desgrudei meu peito, e a deixei partir.

 

A VENDEDORA DE CIGARROS

Uma velha vende cigarros no café. Tem o mistério atado aos olhos. Ela vê que'u a vejo. Trocamos acenos de pálpebras. Ao chegar perto, pergunta se os meus mistérios são azuis. Respondo que os dela são mais azuis que os meus.



Escrito por Gustavo de Castro às 11h36
[] [envie esta mensagem
]





SAMBA NA RUA

Quando juntam duas dores

em meu peito

não tenho como deixar

de chamar uma terceira.

Daí uma quarta se instala sozinha

e faz-se um carnaval de dores

em meu peito. Como hoje.

Estou sambando na rua

de tanta tristeza.

 

JESUS

Ouço "Jesus Alegria dos Homens" de J. S. Bach. Dizem que ele fazia amor com sua mulher quando a compôs. Nada como meter com Jesus junto.

 

O QUE REALMENTE IMPORTA

Hoje saí de carro só para ver a vida diferente.

Como só ando a pé ou de ônibus,

o que me importa na vida

é gentes!!!

Gosto de passear pelos olhos das pessoas.

Seja a pé ou de carro, gosto de caminhar

pelas faces do mundo.

 

UTOPIA

Tem tanta gente no mundo para quem a vida é feia. Queria escrever para eles.



Escrito por Gustavo de Castro às 10h29
[] [envie esta mensagem
]





CONVÉM

Convém reunir nossos silêncios em alguns palmos de boca.

Para dizer palavras de licor, o café convém.

 

A MENINA E O PEIXE

A menina, ao pisar sem querer no peixinho de aquário caído no sofá, gritou: "Eu matei um ser vivo, eu matei um ser vivo!!!"

 

MARIA M

Não confio totalmente nas palavras. Confio no silêncio. Mas quando o silêncio fala não sei mais o que é o meu confiar.

 

HARRY POTTER

Os seus olhos grandes continuaram grandes apesar do tempo. E sua magia juvenil (agora enriquecida na Academia) tinha a habilidade dos mestres. Fazer magia, mas como Herminone.

 

ANTONIO PORCHIA:

"As feridas são ninhos de flores".

 

DANIEL ZAHRA

Subirei até as montanhas nevadas neste verão para ver se não passei por lá.

Daniel Zahra, El Ratón, me ensinou que o homem deve se procurar nos cemitérios.

Eu prefiro as montanhas e os desertos.

 

INTER

Internacional, campeão do mundo!

Daí o mundo fica mais colorado

colorido

e a cor vermelha do mundo

do internacional mundo

é sinal

de coração-sangue, valente,

sanguinal.

 

JORNALISMO

Tenho pelo jornalismo o amor dos jornaleiros.

 

UMA NOITE E DOIS SEI-NÃO

Toda noite chove na imaginação do poeta.

Lá longe o ronco de um avião.

Cá dentro um vento-morto

e dois sei-não.

Fico calado

por que nunca tenho razao

Como só tenho poesia

fico calado

no meu sei-não.

 

BRASÍLIA NOTURNA

A noite era só relampejo pelo céu de Brasília. Dizem que a hora por aqui está sempre atrasada. A hora de Brasília não passa de uma estação enevoada.

 

DO EVANGELHO DA DESORDEM:

"Senhor, Senhor, porque não me abandonas?"

 

DICA PARA PARADA DE ÔNIBUS

Leia o que você quiser.

Mas não deixe de pensar por si próprio.

 

HERMES

Calço os sapatos da solidão quando ponho minhas sandálias nos pés. Daí caminho sem limites e sem direção pelas labirintites do meu coração.

Como o meu caminho é para cima, nem sapatos nem sandálias, somente asas no pés e na imaginação.

 

OUTRA DICA PARA PARADA DE ÔNIBUS

No abismo não há parada.

 

BILHETE PARA O AMIGO SUICIDA

Não volte para contar, meu amigo, por favor, não volte.

Já conheço dores em demasia. E mesmo que não conheça todas,

a sua já me é irmã.

 

NAVIO NEGREIRO

Ouço música de arpa e sininhos em mar aberto. E tudo é música quando se cala no íntimo deserto.

 

SONHO

Sonho que estou sentado de pernas cruzadas no casco de uma tartaruga que caminha no deserto. Falo no seu ouvido: "vá mais devagar!"

 

RESUMO DE ONTEM (18.12.06)

pintei duas noites de chuva

acendi uma vela

li duas frases

 

colori de esmaltes meus calcanhares

flagrei meu coração batendo

pus a mão na boca do silêncio

 

calcei as sandálias erradas

bebi dois copos de nada

talhei o leite para a qualhada

 

passei a mão no cachorro

lambi a língua escarrada

senti as areias do meu morro



Escrito por Gustavo de Castro às 10h04
[] [envie esta mensagem
]





FLOR

A Flor gritou: "tragam suas tristezas, todos, tragam... Que Afrodite vai passar!"

Mas Afrodite não passou. No lugar, houve apenas um vento calado, serôdio. E todos voltaram com suas tristezas para casa.

 

NA PADARIA

- Eu acho legal um sanduiche colorido, disse o menino ao pai olhando o meu pão com manteiga. Mário Quintana dizia que a maior tristeza do vento era não ser colorido.

 

NATAL

Natal me cuspiu. Cai duna olhando o mar molhado de sol. Queimei a pele, encandeei os olhos. A frente, o mar. Atrás, o sertão. Entre dois desertos, cuspido.

 

ESTRANHO AMOR

Não ficar totalmente à disposição do amor do outro porque o outro nunca saberá nos amar totalmente. Amar antes amar-a-si-mesmo. Talvez assim o outro queira nos amar um pouco. Mas saberá o homem amar a si mesmo?

 

LADO B

Todo homem tem um lado negro. O poeta tem também um lado-lágrima

vestido de sol rasgado no peito.

 

DE ANTONIO PORCHIA:

"Pode começar mais quem esquece mais"

 

FOTOGRAFIA

A vida não espera o olhar.

 

FENIX

Não me destes o sabor da tua boca, mas não deixastes de me morder. Não me destes o sabor das tuas asas, mas não deixastes de me abraçar. Não me destes o sabor do teu vôo, mas não deixastes de me ofertar abismos.

Disse meu nome baixinho no teu ouvido para que esqueças quem sou. Vi tu morder teu lábio inferior de tanta vontade controlada. E diante de tanto calor de corpos, caimos cinzas ao chão - queimados de amor, renascidos de vento.

 

2007 - PRIMEIRA LIÇÃO

Saber esperar o outono passar.



Escrito por Gustavo de Castro às 10h19
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]