Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


EUTERPE

"Que as pontes consigam dar sentido aos bréus", cantou a filha de Euterpe, repetindo: "que as pontes consigam dar sentido aos bréus".

 

PASSEIO VESPERTINO

Passeio pela cidade ao crepúsculo: vejo dois doidos no trânsito: um finge que é guarda e orienta os carros com sua flanela amarela; o outro faz aeróbica entre os automóveis. Depois, um figo caí, um pássaro cála e a noite chega engolindo tudo com sua boca de nêgo.

 

CANTO À BOB DYLAN

Não encontro, Bob, mar à tua gaita.

Encontro sertão na frente da praia.

Encontro casa vazia, lua de taipa.

 

SOLIDÃO

Comamos Solidão, comamos! Por frente e por trás! E quando for a hora de solidão gritar, grite junto.

 

REPÚBLICA DOS POETAS

Fundemos a República do Poetas! E que possamos comer bananas e tomar cachaça e rum! e que possamos acreditar nos deuses que quisermos! e que a política seja entregue aos feiticeiros e anciãos! e que não haja assembléia de poetas porque ela não servirá para nada.



Escrito por Gustavo de Castro às 10h30
[] [envie esta mensagem
]





MANOEL DE BARROS:

Tenho um livro sobre águas e meninos.
Gostei mais de um menino que carregava água na peneira.
A mãe disse que carregar água na peneira era o mesmo que roubar um vento
e sair correndo com ele para mostrar aos irmãos.
A mãe disse que era o mesmo que catar espinhos na água
O mesmo que criar peixes no bolso.

O menino era ligado em despropósitos.
Quis montar os alicerces de uma casa sobre orvalhos.

A mãe reparou que o menino gostava mais do vazio do que do cheio.
Falava que os vazios são maiores e até infinitos.
Com o tempo aquele menino que era cismado e esquisito
porque gostava de carregar água na peneira
Com o tempo descobriu que escrever seria o mesmo
que carregar água na peneira.
No escrever o menino viu que era capaz de ser
noviça, monge ou mendigo ao mesmo tempo.
O menino aprendeu a usar as palavras.
Viu que podia fazer peraltagens com as palavras.
E começou a fazer peraltagens.

Foi capaz de interromper o vôo de um pássaro botando ponto final na frase.
Foi capaz de modificar a tarde botando uma chuva nela.
O menino fazia prodígios.
Até fez uma pedra dar flor!

A mãe reparava o menino com ternura.
A mãe falou: Meu filho você vai ser poeta.
Você vai carregar água na peneira a vida toda.
Você vai encher os vazios com as suas peraltagens
e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos


Escrito por Gustavo de Castro às 15h19
[] [envie esta mensagem
]





ANGÚSTIAZUL

A dor no peito não é implante de ácido. A dor é angustia humanizante que os tolos rejeitam, mas os Transparentes, não. Amigos invisíveis cantam tan tan tan com foles de fogo e vento e suas línguas cospem flores de espinhos azuis. 

 

HOMEM-COBRA

Dois são os modos de ser da língua: dentro da boca calada e solta no mundo. Quando solta no mundo tem a ponta bifurcada.

 

A FLOR VERDE

A pureza é o olho azul do coração.

Depois de muito procurar, conheci alguém que era puro de coração. Mas o seu olho era verde.

 

VISCONDE PARTIDO AO MEIO

O incompleto aspira com algo que ele possa arredondar. Mas as suas mãos quebradas não finalizam nada; nem mesmo o círculo ele fecha. O incompleto não passa de uma linha reta sem infinito.

 

EM 2007

Todos os campos estão por arar. Mas o altar dilacerante das horas; a impiedade no berro das horas pode pôr a perder o fulgor das hortênsias. Para que não se perca a flor, fotografar o instante em grandangular.



Escrito por Gustavo de Castro às 15h08
[] [envie esta mensagem
]





CANTO RESMUNGADO DIANTE O MAR

eia, eia o ser, ser, eia, sereia, minha mãe iemanjá.


MANOEL DE BARROS

"A mãe falou: Meu filho você vai ser poeta. Vai carregar água na peneira a vida toda".


DUNAR

No parque das dunas cresce um bosque de árvores namoradas.


OS TRANSPARENTES

E o Senhor da Transparência disse:
Eu vos oferto em graça Espírito e Conhecimento.
Tomai e comei todos vós que isto é o meu corpo e sangue
que é dado a vós.


SERTÃO

Passar a vida pensando o sol.
E à noite, pensar a lua.
Mas sobretudo o sol que há na lua.


MOBY
Olhando a praia vejo Moby Dick pular entre uma onda e outra e dizer: "Cinge teu quadril para que sambes como o mar". Preferi então cingir o corpo por inteiro.


ABERTO À CLARIDADE DA NOITE
Aprender a olhar novamente as árvores baixas, o morro quente, o debulhar de milho, o sol com o dedo em riste! Aprender olhar novamente o assoalho do invisível, a lareira da solidão, o barato do amor e o caro da vida! Aprender a olhar novamente a falange dos dedos, o sentido das rugas, o movimento do coração! Aprender a olhar novamente deuses formas homens e a natureza de si próprio! E por fim, aprender a olhar novamente a morte como quem aprende a nascer.

SONHO
Sonhei que maquiava N. Senhora, a mãe de Cristo. Passava baton, rouge, pintava seus olhos com lápis. "Devo ficar bem bonita, disse, porque vou à festa de N. Senhora da Apresentação".

Escrito por Gustavo de Castro às 11h25
[] [envie esta mensagem
]





NA PADARIA

de pouco em pouco


de grão em grão


a galinha enche o pão



MÍSTICA


A mística íntima das coisas. Não uma divindidade em todas as coisas mas almas em todas elas.


Para cada coisa no mundo, façamos o sinal da cruz.



AZUL SUBLIME AZUL CONFUSO


Vejo o invisível de cada coisa. E em tudo o que vejo não vejo nada a não ser uma falação danada de Azuis.



SENSU COMUM


Criticar é fácil quando não se conhece o assunto. Quando muito se conhece, melhor é ficar calado.



AOS QUE NÃO VÊEM TV


Parabéns. Uma droga a menos.



MÍDIA MÓVEL


Como é que os publicitários ainda não criaram a campanha do motel móvel?



O QUE É QUE HÁ?


Dizem que acasos não existem. Coincidências também não. Concomitâncias é que sim. Acho que tudo no mundo tem certa magia de verbos pelo ar... Mas quem provará a existência do ar senão a música, a mais espiritual das artes?



FOTOGRAFIA


A foto na parede me olha como se achasse alguma coisa.


A foto na parede me olha como se olhasse alguma coisa.



Escrito por Gustavo de Castro às 09h42
[] [envie esta mensagem
]





PARA HERÁCLITO

Quando se quer ser feliz, dois ou três objetivos bastam. Contanto que eles sejam inalcançáveis.

 

CIDADE ÍNTIMA

A natureza do povo daqui é agoniada.

 

LUZ MÍNIMA

Saudades de um caandeeiro. Sei que a palavra está escrita errada, mas prefiro assim, porque a sinto assim: caandeeiro. Saudades de um caandeeiro amarrado no teto de uma casa de taipa, no sovaco de uma serra, no sertão. Caandeeiro no sertão: existência vagalume.

 

 



Escrito por Gustavo de Castro às 17h57
[] [envie esta mensagem
]





NOITE DA NATAL

Ouvimos sinos por toda a cidade. Homens na grande praça ajoelham, benzem-se, voltam os olhos para cima. Dobram incessantemente os sinos no bairro velho. Da sacada, a velha festa tantas vezes triste, reza uma falsa alegria. Noel e Natal: dois paspalhões vestidos de felicidade.

 

BEETHOVEN, O FILME

O segredo de Beethoven: o silêncio é a música que Deus canta para nós. A certa altura, o maestro diz: "a solidão é a minha religião."

 

NA FEIRA

Ouvi certa vez, numa feira, um velho cego tocando uma rabeca blues. Alguns batiam palmas, quando comecei a dançar sozinho no meio do povo. Parecíamos até uma dupla ganhando dinheiro juntos. Depois o velho me contou sua história. Um caminhante, um anônimo de feira em feira pelo Nordeste do Brasil. Sabia o dia de todas elas:Garanhuns, Santana, Cajazeiras, Caicó. Soube agora que o velho havia morrido. Sua rabeca vendida na feira de Bodocó.

 

ANTONIO PORCHIA

"Sim, eu devo perter-te, mas tu...Oh, não te percas!" 



Escrito por Gustavo de Castro às 16h11
[] [envie esta mensagem
]





ALECRIM

O cheiro dos tempos mortos no portão. As fragrâncias que temperam a tristeza, a boca e o coração estão por todas as partes: no café quentinho, na tapioca saindo do fogo, no bolo de milho, no pão assado... Na velha insana na cadeira de balanço, na velha casa onde tanta gente morreu... O silêncio inconfundível da agonia. Na frente morava um padre; do lado direito, as freiras; do lado esquerdo, o cemitério e a igreja. Crescer cercado de Jesus e agonias por todos os lados. No coração do poeta, os infernos se multiplicam.


ANTONIO PORCHIA

"O amor quando cabe em uma flor é infinito"

EMANUEL

As asas semeadas em teus olhos calmos me abraçam em vôo e me trazem com segurança ao chão. Tu és como aquela vez em que caí do telhado. Transformastes teu corpo em mil andorinhas. Agarrastes minhas vestes e me pousastes num lençol de palha, e ali adormeci um sono antigo. E o nosso amor nunca mais deixou de ser ditoso.



Escrito por Gustavo de Castro às 15h56
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]