Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


COM QUANTAS DORES SE FAZ UMA MULHER?

Não sei se vou saber descrever o que vi. É uma cena triste. Amarga. O marido estava abandonando a mulher para ir viver com a outra. A esposa sabia de tudo, mas decidiu não armar nenhum barraco. Aceitou calada, não escondeu a dor que sentia e, agora, perdia o marido de vez. Ela tinha os olhos inchados de lágrimas, um vestido bege-caque roto, e os braços cruzados na altura do peito. Ela estava na calçada, de pés descalços, totalmente desolada, olhando a mala do carro aberta enquanto o homem colocava ali as suas bolsas mal arrumadas. Ele estava frio, duro, e a sua dureza parecia gelo... Ele colocou a última bolsa, deu a volta no carro, dirigindo-se até a porta do motorista, e sem se despedir, nem olhar para trás, entrou no automóvel e partiu, arrancando à toda. Ela continuou ali por alguns minutos, de braços cruzados, com as lágrimas escorrendo, em um silêncio murmurado de agonia. Foi quando a noite ficou ainda mais silenciosa... Soprou um vento frio na hora, que ondulou discretamente o cabelo da moça, não secando, no entanto, as lágrimas que por ali passavam...

 

ANTONIO PORCHIA

"O belo se acha removendo escombros".

 

A PIOR DAS DORES

Uma vez vi um psiquiatra dizer que a pior das dores era a do amor. Nenhuma era tão profunda, tão doída e amarga. Que não havia remédio, nem nada que pudesse ser feito para passar. A não ser esperar... Um ditado famoso diz: "Se não se aprende pelo amor, aprende pela dor". Mas quem aprende pelo amor, verdadeiramente, pois, verdadeiramente, quem sabe amar?

Sempre estranhei quem não sabe valorizar aquilo que ama, nem sabe o que ama, nem o que é o amor. Por isso estranho a todos os homens, pois não acredito que ninguém saiba - verdadeiramente - cuidar...

 

FRASEMENTO DE UM DISCURSO AMOROSO

Tudo o que não é indício de felicidade não é indício de amor.



Escrito por Gustavo de Castro às 22h25
[] [envie esta mensagem
]





CANTO A HÖLDERLIN

Quem poderá tirar-me da fronte o sonho triste? Se todos os dias banho-me no rio do esquecimento, se todas as manhãs nutro-me nos seios da Via Láctea e lavo a face na aurora do desassossego, quem poderá conduzir-me ao bosque onde as ervas não são daninhas? Quem poderá tirar-me, ó Filho-do-Monte, a meia-noite do peito? Se visito todas as sombras, se desadormeço todos os nadas, se aguilhoam-me os espinhos, quem, quem dentre os pagãos há de restaurar do pó o meu coração?

 

CANTO A FERNANDO PESSOA

Sim, também o Nada serve para alguma coisa! Se, numa tarde de domingo, sentado em tua cadeira de mofo-ócio, sobrevém abrupto em teu coração a clara sensação do Nada, toma então ele pela mão, toma, e pergunta sem demora: "para que serve tudo isto, este desterro, para que sirvo eu, impaciente morador desta vida de viço?" E se não encontras resposta, destemido habitua-te aos grilhões: a vida-a-ferros! Tu não podes ainda, ó minha alma, inda não podes, voar...  



Escrito por Gustavo de Castro às 12h52
[] [envie esta mensagem
]





PARA MANOEL DE BARROS

Há pelo menos dez anos quero ir até Manoel de Barros agradecer pelos seus versos. Invejo e admiro os meus amigos que fizeram isso, como Luíza, de São Paulo, e Paulo Alves, de Brejo Santo, Ceará. Já me programei sete vezes para ir até o Mato Grosso, mas em todas elas senti como se não devesse... Besteira minha, acho. Agora soube que o Manoel perdeu o seu filho, João de Barros, esta semana, num acidente de avião. Quando soube da notícia imaginei logo os olhinhos dele, que já acho tão pirilampos, frágeis e doces, amargurados de dor. Não é fácil perder um filho aos noventa anos, ainda mais para um poeta. Carlos Drummond morreu uma semana depois da filha Julieta. No livro Ensaios Fotográficos (2000), Manoel presta homenagem a alguns de seus antepassados: ao pai, ao avô, ao tio. Em um poema, fala de si mesmo, e diz assim:

"Ao nascer eu não estava acordado de modo que

não vi a hora.

Isso faz tempo.

Foi na beira de um rio.

Depois eu já morri 14 vezes.

Só falta a última."

Temo por ele, sofro calado com ele, esse poço transparente, que tem nos abençoado de águas e silêncios desacordados. Temo porque sei que Manoel "padece de lonjuras", porque sabe que a distância é essa coisa vazia que a gente leva nos olhos e que tem nome de exílio. E mesmo que ele saiba que o exílio-morte não passa de uma cigarra, ainda assim, temo que ele queira ir lá pescá-la, no rio da vida, com seu anzol de menino-livre, atravessado de sol.

 

O POETA

para Manoel de Barros

as grandezas do ínfimo com que cravas

em nós constelações de belezas-ligas

são tochas levadas por imãs-palavras

tachos repletos de saberes-espigas

 

          as ignoranças tuas são esperanças

          as proesias tuas são alegrorias

          as luas tuas são cheias e nuas

 

e todos os teus versos cantam além

a pureza perdida das aves crianças

e fazes olhos sorrisos fragâncias

amores amoras amêndoas améns



Escrito por Gustavo de Castro às 16h08
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]