Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


OS OLHOS DE LUZ

O azul nasce de um surto poético de Luz. É quando Luz sente pela primeira vez a si mesma como harmonia e doçura. 

Ao olhar a sua criação, os olhos de Luz não podem expressar outra cor. Depois de criado, o azul ganha o ar, vira céu, pousa nas asas da borboleta, vaga pelo espírito da terra ao ponto que, quando o homem olha o planeta alto, diz: “A terra é azul!”. É como um manto a envolver e imiscuir todas as coisas; penetrar vidas adentro, fazer reluzir clarões e traçar sombras.

No azul, flutuam todas as formas geométricas. Em sua fundura, é sempre possível que as existências difíceis encontrem alento para aquietar-se.

O azul é uma possibilidade do aberto e do profundo, algo a almejar, uma busca...

Talvez seja também uma promessa. A de que podemos ser amplos... Mar e céu anunciam-se como abismos, lugares que levam para outro lugar, como se além do azul exista o perigo da noite alta ou a incerteza oceânica da vida. A sua superficialidade não passa de uma aparência. No fundo, o azul tem a cobiça de quem, depois de enfrentar profundidades, sabe que o melhor a mostrar é aquilo que se tem de mais bonito!

Ele exibe singeleza para, em sua imensidão, esconder um pouco as dificuldades, os tormentos e as perturbações daquilo que, por ser vasto, não se conhece bem. É o reconforto necessário, a serenidade entregue àquele que busca a si mesmo.

Ao propor o aberto, o céu também oferece a condição de olhar para todos os lados. É ele que fez sobressair o brilho dos amarelos e acalma os vermelhos apaixonados. É na sua extensão airosa que se ostentam as nuvens brancas, como convites para quem queira ninar-se na brancura de cima.

O azul que nasce de Luz tem em si um princípio de generosidade, mas também uma dificuldade. A de não esconder o espanto causado pela beleza, quase terrificante, que anuncia. É certo que a beleza tem muitas faces também, mas quando se reveste desse espírito de profundidade que é o azul, torna-se força polivalente: simultaneamente calma e desassossegada, harmônica e tensa; quase que dizendo: “se queres a mim, prepara-te para o negro e o branco, o amarelo, o violeta e o vermelho, pois, no fundo, sou os olhos de uma divindade revestida de arco-íris”.

Talvez por isso, a felicidade causada inicialmente pelo azul e sua promessa se transforme tão facilmente em tristeza e melancolia. Do brilho animador dos primeiros instantes aos níveis escuros dos estados parados, tudo depende do arco-íris dos estados-d'alma. O azul é uma escala de espectros. Guarda poderes múltiplos e quietos a serem despertados. É uma poderosa força calma que vive, age e transforma. Descobrimos com o blues que o azul é também amigo do negror dos sentimentos: nina nossos estados com o lamento de seus vários tons: marinho, aéreo, escuro, quase sempre musical.

Entendemos como é possível ser triste sendo alegre. Como se dissesse assim:

  

Conheço-me tanto, tão profundamente

Me sou em mim meu desencanto

Que sou assim

Simplesmente, blue.

 

Para estar no azul, é preciso conhecer seus próprios matizes e, entre eles, afinar a escala de si. Dizem que ele é, entre as forças fundamentais, a mais fria de todas. Mas sabemos que não é bem assim. A sua temperatura guarda a sabedoria de olhos iluminados. Os olhos de Luz.

 

 

(pensado e escrito com a poeta Florence Dravet)  



Escrito por Gustavo de Castro às 11h27
[] [envie esta mensagem
]





CUIDA-TE

1.

Por que será que a poesia chama-nos ao cuidado e ao silêncio?

Cada vez mais acredito que poesia e cuidado combinam-se, fazem acordo, penetram-se. Cada vez mais entendo que, para sentir a vida, não precisamos (tanto assim) da palavra. Precisamos apenas da meia-palavra "cuidado". A outra meia-palavra é o amor.

2.

Tem uma coisa que nunca me canso de ver. Olhos tristes. No metrô, fico observando um sujeito que tem o olhar mudo. A sua tristeza é tanta que ele espreme a têz como se quisesse arrancá-la da fronte, para descer na estação seguinte sem ela. "De onde veio essa tua tristeza, homem?" - tenho vontade de perguntar a ele. Mas quem sou eu, que nem sei de onde vieram as minhas?

3.

No mesmo momento, ainda no metrô, uma criança começa a chorar. Parece que a criança chora por nada. Apenas porque a mãe não fez nela certo mimo. O choro da criança aumenta, vira escândalo. A mulher do meu lado diz: "Se fosse minha filha, eu dava logo uma porrada pra deixar de frescura". Bom, ainda bem que não é! - penso eu. Mesmo com o choro, o homem de olhar mudo não muda a expressão. Parece até que o choro da criança aumenta a sua dor. Ela expressa por fora o que ele sente por dentro.

4.

Ao lado, um homem lê um jornal carioca que diz ter sido a terça-feira (17.04) o dia mais violento do ano no Rio de Janeiro. Um dia antes um americano ensandecido havia assassinado 33 numa universidade. Olho em volta. A criança ainda chora, o homem ainda triste, a vida ainda fria... Desço na minha estação e sinto como se tudo estivesse desligado de tudo, como se ninguém prestasse mais atenção em nada.

5.

Cuida-te um pouco, meu amigo. A vida não anda fácil. A estrada segue e a tristeza teima em querer te alcançar. Se ela te alcançar, faz como o gato aleijado aqui de casa, o Rajá: mia o teu olhar mudo em direção a estrela polar. Se não podes mais, como ele, pular, podes ao menos ainda cantar a tua dor aos céus.

    



Escrito por Gustavo de Castro às 21h09
[] [envie esta mensagem
]





AH...O AMOR, ESSE MAR

ah... o amor, esse mar tão longo

tão largo

tão fundo.

 

O MAR, A ÁGUIA E O SOL

1.

Há três meses não via o mar. Agora abençoo-me com ele nas enseadas do Rio de Janeiro. Antes, peço a benção na Biblioteca Nacional, a oitava do mundo, dizem. Como sou filho de Yemanjá necessito de mar: mar adentro, mar qualquer, mar-que-seja mar. A energia do Rio de Janeiro é sempre assim: faz o homem desejar ser águia. Ou sol.

2.

Encontro no Rio um velho amigo, um monge, o Luiz Vieira, que mora agora no Convento São Sebastião. Vieira é a pessoa, das que conheço, que tem mais livros e que já leu mais. O homem é de Catolé do Rocha, no sertão da Paraíba. Vieira também é o homem mais silencioso que conheço. Um místico. Mas quando estamos juntos nossos silêncios se encontram e a conversa flui, sempre. Ele está fazendo doutorado por aqui, estudando Jon Sobrino, um teólogo da libertação ainda vivo que mora em El Salvador e que foi condenado este mês, aliás, pelo bunker alemão, o papa Benedeto XVI. Noto que os olhos de Vieira vivem em câmara lenta, coisa de homens que se dedicam à espiritualidade e à literatura. De forma profunda, esses homens sempre me lembraram as águias. Ou os sóis.

3.

DIZ OCTÁVIO PAZ, no homônimo Águia ou Sol? (1950)

"Merece o que sonhas".

4.

Bom tema inclusive para o amor, a vida e tudo o mais: "merece o que sonhas".

E com o que andas sonhando? Tens recebido o que andas sonhando?

Ou és mais o resultado do sonho dos outros?

5.

ah... o sonho, esse mar tão longo

tão largo

tão fundo.



Escrito por Gustavo de Castro às 09h05
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]