Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


O CÉREBRO É UM ESTÔMAGO?

Crânio, com ele quebrar pedras filosofais.

 

 

LONGE LUGAR

 

Se o círculo começa onde termina,

onde começa o que não tem fim?

 

 

O MUNDO

 

Não há nada tão profundo que a aparência não esteja ali.

 

O fundo bem fundo nunca dá pra alcançar

porque o fundo da essência é o transfundo dela mesma.

 

O mundo, essa coisa nenhuma cheia de ser.

 

 

 

CAOS E CAIS

 

Há regiões do cérebro que não servem para nada.

 

Acho que penso com elas.

Minhas conexões são eternos lapsos

entre o caos que sou e o cais que desconheço.

 

Se eterninstante caos

instantequero cais.

 

 

SER

 

O que pode conter o que em si não se contém?

O que pode ser menor do que o que não se tem?



Escrito por Gustavo de Castro às 08h39
[] [envie esta mensagem
]





PORRES DE POEMA

Acordei com um gosto de sargaço na boca. Tomei porres de poema a noite inteira! Passei lua cheia sonhando com nada. Acordei com fiapos de sargaço e conchas marinhas no corpo. Pleno, no ar da marisia. A borboleta me trouxe um raio de sol pela mão e recitou dois versos. Não gostei muito das rimas dela. Eram muito aéreas, alfairosas... O sereno da noite umidifica a língua, disse a borboleta. Os olhos amanhecem amanhecidos de chuva, logo buscam o sol... A borboleta, então, com seu raiozinho de sol, mostrou o caminho por entre as nuvens. Para clarificar-se no pleno, no ar da marisia "Basta um poema por dia..."

 

UM HOMEM - QUALQUER COISA

Conheço um homem, ele existe, que vomita versos em cadernos que lhe acompanham. Ele tem muitos cadernos, várias estantes, e são seus livros mais preciosos. Livros escritos a mão, diários, anotações, pensamentos, leituras, sobretudo versos, muitos, de todos os tipos, pois este homem viveu muitos tipos, muitas formas de ser homem. Mas ele não cuida muito desses cadernos, não os têm em primazia, prefere acompanhar-se de poetas e de uma velha máquina de escrever Olivetti. Vive anônimo, na periferia, na periferia do Brasil, na periferia de uma cidade da periferia. Muitos confudem, como Carpinejar, que fazer poesia é encenar. Acho mais que é antes um ensebar... Ensebar-se na graça de ser qualquer coisa...

Juarroz dizia: "A única missão do poeta é acompanhar a sua noite".     



Escrito por Gustavo de Castro às 10h44
[] [envie esta mensagem
]





O SOL DE CADA DIA

O sol agora começou a bater nos livros. Passo o ano olhando o deslocar da luz do sol pela janela do quarto. Como estamos no outono, ele bate nos livros; no inverno, a luz muda para os discos, ao lado dos livros; depois, na primavera, ilumina minha coleção de pedras e, no verão, por fim, vai embora pro espaço que há entre a concha e o vinho...

 

ANTONIO PORCHIA

"Se não existisse o breve, não existiriam as flores".



Escrito por Gustavo de Castro às 14h49
[] [envie esta mensagem
]





A DOR-DE-MUNDO

1.

Ela não chorava lágrimas, mas pedras de sal. E aquelas pedras foram caindo ao chão fazendo o barulho que faz a dor-de-mundo quando bate no peito. Os silvos da angústia, o marulhar arrepiante e ébrio da desgraça de padecer de amor... Quando o homem sofre, disse ela, Deus sorri e gargalha!

 

2.

Sem a angústia que temos seríamos o que somos?

 

3.

Amo os que sabem enfrentar a angústia e fazer dela motivo para seguir em frente. Amo os que levam sua vida para além de si e, mesmo sofrendo, transpõem abismos e charcos com a bússola da virtude à mão. 

 

4.

Do mesmo jeito que existe a dor-de-dente e a unha-encravada, tenho certeza que existe a dor-de-mundo e a vida-encravada.

 

5.

Duas amigas que não se conhecem vieram me falar a mesma coisa: "A existência dói!!!", disseram. Uma delas, inclusive, nos últimos anos, tentou suicídio duas vezes. A dor-de-mundo aleija a força da esperança e a vontade de sorrir.

 

No mundo ainda faltam os homens fortes para as verdadeiras alegrias.

 

6.

Nosso mundo, diz um menino-velho e sábio, não é um mundo de alegrias, mas de tristezas, de padecimentos e de lágrimas. Justamente por isso é que devemos lutar... A dor é democrática, gosta de se dar a todos. A felicidade, não.  Esta é aristocrática.  Gosta mesmo é de ser conquistada! 

 

7.

É preciso fazer as pazes entre o dia e a noite; fazer voltar a subir as estrelas ao céu; reaprender a contar as alegrias nos dedos. É preciso voltar a ter olhar infantil, qual olhos de jabuticaba, para defender-se do ascomundo pela graça da ingenuidade. É preciso voltar a querer ser anônimo; dormir na folhagem fresca e abraçar a terra como quem abraça o filho e a filha. É preciso tomar porres de vinho de vez em quando, e sair das sombras que construímos para nós mesmos. Voltar a ter coração; reinventar o ouvido, a nuca e o fígado... Refazer a face e assumir formas várias... É preciso desencravar a vida para, quem sabe, deixar que a dor-de-mundo nos tire do sensentido dela, e nos leve às praias sacras e brancas que ornam de venturas o mar do viver...

 



Escrito por Gustavo de Castro às 12h06
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]