Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


AS MENINAS INVISÍVEIS

 

TOMASINA

Tomasina tomava banho de auroras.

Seu olho era antes da lua; se pulava

da cama antes do sol. Tomava café de menta.

Espirrava incensos e cavalos marinhos.

Quando ia pro campo colher vento,

sacudia as vestes, despia-se pro Sol.

 

Tomasina era muda

e não sabia.

 

HELENA

"Tens o sabor da mordida e do fruto?" - Perguntava Helena aos que visitavam seu coração. Vivia dizendo pelos cantos da alma, com o exagero que lhe era peculiar: "Um cardume de enxames me matilha!"

Quando adornava-se de curimbas e sangas, Helena versava:

Os olhos é que fundem.

O coração só amarra. 



Escrito por Gustavo de Castro às 10h46
[] [envie esta mensagem
]





EMBRIAGADO DE FARINHA

Vejo um homem empanturrar-se de pão de queijo. Se embebeda de trigo, o homem. Na cor de seus olhos vejo estanhos.

 

TÍTULO DE LIVRO FUTURO (In memoriam)

Os estremecimentos da luz fazem nosso ser boate!!!

 

TÍTULO DE LIVRO A INSCREVER

Vós que ocultais pedras e praias



Escrito por Gustavo de Castro às 10h02
[] [envie esta mensagem
]





O OLHO DA CORUJA

O olho da coruja ficou espiando teu movimento. Tuas sensações cantaram a dança circular. Gritastes então aos deuses como uma louca em procissão de ninhos. "Não olhes para o cutelo ou o punhal, que meu peito está inflores... Em todos os meus baixios, o que importa é o amor".

Feliz por sustentar aquele raio, comprei um anel de ventos.  



Escrito por Gustavo de Castro às 09h46
[] [envie esta mensagem
]





MÍNIMOS VITAIS I

do poeta René Char (1907-1988):
 
FASTOS
 
 
O verão cantava em sua rocha preferida quando me apareceste, o verão cantava
apartado de nós que éramos silêncio, simpatia, liberdade triste, mar ainda
mais que o mar cuja longa pá azul brincava aos nossos pés.

O verão cantava e teu coração nadava longe dele. Eu beijava tua coragem,
ouvia teu desassossego. Estrada pelo absoluto das ondas rumo às altas gretas
de espuma por onde cruzam virtudes assassinas para as mãos que portam nossas
casas. Não éramos crédulos. Estávamos acompanhados.

Os anos se passaram. Morreram as tormentas. O mundo se foi. Doía-me sentir
que teu coração justamente já não me percebia. Amava-te. Em minha ausência
de rosto e meu vazio de felicidade. Amava-te, mudando em tudo, fiel a ti.
 

(Tradução  Florence Dravet)


 
OCASO E PENSAMENTO (parte XIX)

De Emil Cioran (1911-1995):

Quando abusas da juventude, de homem te encontras convertido em poeta. Como podes não ser nem uma coisa nem outra? Falando em prosa sobre a morte.

 

O OFÍCIO DE VIVER

De Cesare Pavese (1908-1950):

E sobretudo lembrar-se de que fazer poesia é igual a fazer amor: a gente nunca há de saber se a alegria que sente está sendo compartilhada.



Escrito por Gustavo de Castro às 21h39
[] [envie esta mensagem
]





O EVANGELHO DA DESORDEM

última parte

 

NAVEGAR IMPRECISO

 

Se navegar é preciso

o viver é impreciso.

 



Escrito por Gustavo de Castro às 21h23
[] [envie esta mensagem
]





O EVANGELHO DA DESORDEM

parte XVIII

OS LIVROS DE SI

O homem é uma biblioteca inculta.


DES CULPA

Desesperar é nada esperar?

Descair é acimar, subir?

Desligar é acender o quê?

Desolar é o inverso de ensolarar?
 
Nem tudo o que diz faz - faz!

 
VIDA BANDIDA

Vida: elegia bandida. Mói
meu verso qual cana,
bagaço do bagaço,
vai do lixo à lama,
verso moído, lasso,
sem alma, sem céu,
traço ou papel,
caldo escasso
cujo saldo de si
expremido
deu mel.

 
SENHOR DOS EXÉRCITOS?

Meu corpo de cachorro magro não se preparou
para a guerra, não fez exercícios marciais
nem executou estratégias de assalto e domínio.

Esqueceu as armas escondidas num local
que já esqueceu. Não se alistou, desertou,
nem vestiu verde-oliva.

Não, o meu corpo não tem mapas,
nem documentos secretos,
nem nada além de filhos e dores nas costas.

Ele não é belicoso,
e em matéria de forças armadas
seu estado maior é antes
estado-menor.

Meu corpo é a paz do exército
de um homem só.


Escrito por Gustavo de Castro às 21h55
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]