Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


O CASTELO DOS CEGOS

 

Ouves a agitação das pândegas lá fora? Sentes o enxofre do Mundo? E o que ti fala a Natureza das coisas? Lá fora todos os pássaros e aviões estão parados. Há um sossego de morte no ar, nada voa dentro das nuvens, nada voa dentro das aves, nada voa. O ar é um sossego só, soturno, engarrafamento interminável de nuvens no céu!

Nada se agita e nada anda.

E cá, no Castelo dos Cegos, poço mal assombrado de almas, tudo também está calmo. Um engarrafamento interminável de almas iluminam os vãos... O céu está logo ali na janela do Castelo. Basta atirar-se e qualquer um sai em vôo. O que vibra no interior do Castelo são as portas, que ficam batendo assombradas de Mundo. E as ruínas rugindo, os dentes cerrados na imensa boca do Castelo dos Cegos.

 

Enquanto isso, o Feiticeiro dorme o seu sono na boca da noite, nos salões do Castelo. Ele é o pai dos Cegos, os aprendizes de luzes e de sombras. Passará o Feiticeiro a madrugada acordado velando a Noite de todos nós?

 

Velho bruxo, cansado e só. Tantas coisas viu que seus olhos parecem o de um menino...



Escrito por Gustavo de Castro às 19h58
[] [envie esta mensagem
]





SOLSTÍCIO DE INVERNO

Não sei se está fazendo frio em todo o Brasil. Metereologia não é o meu forte. Mas hoje, 21 de junho, dia do solstício de inverno, dito poeticamente como a "noite mais longa do ano", faz frio por cá na aldeia. Dizem todos que esta noite representa o 'ápice da morte'! Dizem que os antigos acendiam fogueiras nos montes e altiplanos, e que as bruxas faziam o mesmo nas florestas e castelos. Os anjos dizem que é dia propício à reflexão, a se resguardar, silenciar, deixar morrer; deixar que se vá aquilo que quer ir embora. Deixar ir...

 

E entregar à noite mais longa do ano,

nossas fogueiras e âncoras.

Aprender com a noite e com a morte

a conduzir esperanças! 

 

Nada mais temos a fazer

do que virar luminescência,

e acender pequenos fachos

na pura noite escura!...



Escrito por Gustavo de Castro às 09h41
[] [envie esta mensagem
]





OS BANCOS DE PRAÇA

Não é bom compartilhar tristezas. Mas fazê-lo às vezes é algo que ninguém escapa. Outras vezes, não temos saídas, não conseguimos guardar o sentimento torto, que entorta tudo, dos olhos ao juízo. Niza gostava de compartilhar suas tristezas nos bancos das praças. Eu achava isso esquisito, mas a entendia. Certa vez, a vi sentar num banco de praça, com uma senhora desconhecida e falar de sua vida como se isso fosse simples e comum. A senhora a ouviu atentamente e perdeu três ônibus para casa. Admiro mais quem ouve as tristezas, como esta senhora, do que quem fala. Gente assim faz dos bancos das praças seu consultório. Ou seu confessionário.

Todo mundo tem necessidade de falar. Alguns, de falar muito. Acho que um tema recorrente na minha vida, todos sabem, pelo menos os que me conhecem, é o silêncio. Nunca fui muito afeito ao falatório geral. Sempre achei a palavra traiçoeira. Talvez porque tenha feito jornalismo, experimentado a literatura e praticado a poesia. Gosto do silêncio como quem gosta dos grandes espaços, dos abismos, das montanhas. Do céu...

Sempre achei também alguns bancos de praça locais sagrados. Ali, gente chora e gente ri, alguns namoram, outros sentam e calam. Tenho saudade, por exemplo, de um banco da praça no parque Buenos Aires, em São Paulo, onde lia Fernando Pessoa. Ali, uma vez, li este poema que ora compartilho com você, como se estivesse agora num banco de praça:

"Às vezes tenho idéias felizes,

Idéias subitamente felizes, em idéias

E nas palavras em que naturalmente se despegam...

Depois de escrever, leio...

Por que escrevi isto?

Onde fui buscar isto?

De onde me veio isto? Isto é melhor do que eu...

Seremos nós neste mundo apenas canetas com tinta

Com que alguém escreve a valer o que nós aqui traçamos?..."

Fernando Pessoa a 18.12.1934



Escrito por Gustavo de Castro às 12h47
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]