Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


ANTONIO RAMOS ROSA

poema do livro Felicidade do ar (1990)

VERTENTE VERTICAL

Quem chama o meu nome é a minha sede.

Quem diz o meu barco é a flor do vento.

As sílabas do corpo são água viva e oiro.

O mar resplandece entre duas colinas.

Os galos rubros dos montes e as velas brancas do horizonte

criam a transparência e a semelhança.

Vou por um caminho que caminha no meu sangue.

Purifico-me com as amêndoas de gelo sobre mesas de pedra.

Pedra, planta, pássaro, homem e mulher na incandescente unidade.

Habito as evidências do mundo com olhos de raízes.

Dispo-me para consagrar um segredo ou um deus fulgurante.

A página é um arco de sal, a vertical vertente

que aguarda o peso das coisas, a aliança azul.

O vazio tornou-se um celeiro habitável, uma ilha transparente.

As vértebras despertam os arbustos vermelhos

e à garganta ascende o infinito odor verde da floresta.

A elegância dos cavalos atravessa a espessura negra.

Uma leve respiração ondula ao ritmo da folhagem.

Habito e não habito o centro, sou e não sou a palavra.

Não conheço o deus vivo que sou, o deus do deus.

Quem move estas sílabas é uma árvore de água.

Toco o rio e a pedra na distância intacta.

Esta é a minha oferenda sobre um pequeno muro de terra.



Escrito por Gustavo de Castro às 17h29
[] [envie esta mensagem
]





ENCONTROS NO VALE DAS ALMAS

1.

ANTONIO RAMOS ROSA

Nada é mais sagrado do que descobrir uma fonte. Quando se tem sêde, caçimbas, charcos, brejos, lagos, poços, algum esboço de poema, servem para matá-la. Alguns têm sêde d'água, de riachos fundos, outros têm sêde de mato, de florestas altas. "Entre altas torres vou cavando fundos poços", disse certa vez Roberto Juarroz. Poetas são como charcos, brejos, caçimbas e poços. Essa foi a sensação ao encontrar pela estrada o poeta português Antônio Ramos Rosa. Nada é mais sagrado do que descobrir uma fonte como Ramos Rosa. Nossos olhos seguem com ele o serpentear dessa fonte doce no Vale das Almas, que é a poesia. Todos sonham lá no Vale quando a tarde chega noite. Nós, os menores, com cachimbos e penumbras, falamos pouco. Juarroz, Sábato, Huidobro, Porchia, Sama, Gelman, Zahra, Silvia, Esther, Ramos Rosa, Flor, Char e mais uns e outros, porque o Vale das Almas é o lugar para onde convergem todas as chuvas.

O estilo do vale é o a-braço de rio.

2.

FLÁVIA SUASSUNA

Pastorando o tempo, me deparo com uma poeta: Flávia Suassuna, de Recife. É bom demais descobrir gente profunda, sensível, transparente. Sempre quis publicar um poema seu aqui no blog, mas ficava quieto. Agora ela autorizou. A alegria de encontrar bons poetas é algo que não tem fim. Graças a deus. Acho que tive a mesma alegria quando me deparei com Maria Esther Maciel, poeta mineira. O blog de poesias e tranças da Flávia Suassuna é um misto de muitas coisas. Como não acredito em crítica literária, prefiro que os interessados possam conferir por si só em www.fsuassuna.blogspot.com

No Vale das Almas, Flávia, jorra fonte na alegria de todo mundo! 

3.

SOLIDÃO

de Flávia Suassuna

Eu sou esse poço
bom
lá dentro
de mim
e sua solidão
confortável.

Aquela água
serena e fresca,
naquela noite
presa e escura,
constelada de brilhos
nítidos e calados.

Segredo que Deus
ali depôs
para que eu um dia
desvendasse.

E minha ligação
com esse abismo
guarda um tempo parado:
sou o que sou
antes dos relógios.

Que milagre
mantém de pé
esses tijolos molhados?

Ah! O Engenheiro
que o pensou
com suas paredes mágicas
que se sustentam
do absurdo cilíndrico
de sua forma!

E essa água limpa,
lar subterrâneo,
é carga invertida:
minha solidão
me cura.

Sei que há solidões
que doem;
corpos que ardem
de desejos desencontrados;
lágrimas sem ombros;
noites frias;
problemas sem solução;
dor sem analgésico;
enfrentamentos necessários;
queda sem mão...

Esse poço
mistura
dor e consolo.

Sou esse poço
e sua misteriosa arquitetura:
minha água,
macio lençol,
concorda com a física rude
de seus tijolos sobrepostos;
mas, às vezes, discorda
e enfrenta presa
o perigo dos terremotos.



Escrito por Gustavo de Castro às 22h27
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]