Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


"ESTÉTICA DO CORAÇÃO"

D. Úrsula não tinha, decerto, o instinto da arte; mas o amor da família lhe ensinara uma estética do coração, e essa bastou a fazê-la admirar o trabalho de Helena.
 
Machado de Assis, em Helena.


Escrito por Gustavo de Castro às 19h41
[] [envie esta mensagem
]





BARRO CRU

O destino me deu de presente a amizade de alguns poetas.

 

Gosto sobretudo das poetisas com quem compartilho essa sensibilidade que Machado de Assis chamou de "estética do coração". Não é exagero dizer que gosto dos poemas coloridos e místicos de Florence Dravet, da simplicidade alpina de Maria Esther Maciel, da delicadeza marítima de Gabriela Leite, do furor sensual de Tenille Queiroz e do balé vulcânico de Sílvia Góes, de quem publico um poema hoje. Silvinha acabou de abrir também um blog: o Barro Cru, que pode ser acessado no  www.barrocru.blogspot.com/ 

 

A Sílvia está sempre por aqui, fazendo seus comentários poéticos. Acho que tenho até uma dívida artística com ela, dívida que procuro pagar oferecendo-lhe às vezes algumas seivas de beleza. Mas meu débito é muito grande, isso porque ela acompanha este blog a muito tempo, o que faz dela uma parceira da Razão Poesia. Sempre acreditei que a poesia é uma espécie de companhia, um alforje mágico, um botilha com gênios engarrafados, algo que levamos atado ao coração e à vida. Sendo assim, o que seria de mim sem o acompanhamento de algumas dessas feiticeiras, que jogam seus pós mágicos na minha capanga? 

 

Com vocês, então, alguns elementos da alquimia amorosa e filosófica de Silvinha através de um poema seu, Instinto.  

 

 

INSTINTO

 

Tenho lágrimas quentes, gotas que já dissolveram tantos aços

Tenho olhos que dizem mais do que multidões, mesmo calados

Tenho dedos feitos de delicadécio, elemento ainda não desenhado

                                                                           na tabela periódica

 

Tenho uma dor feita de mundo, dilacerando o profundo nas janelas

Míopes e afiadas, escorrendo garfos de prata em minha garganta seca

Tenho quase tudo além da inocência que logo me matará de novo

                                                          Denodada a denodar espelhos

 

Ontem ganhei mais dois dias de vida e fui à feira procurar multidões

De corações de aço, para devorá-los, remendá-los mais belos

                                                                   e saciar minha sede eterna

Voltei para casa sem nada, sem olhos, sem dedos, sem lágrimas,

                                                                      sede que já era fome

 

Todo o delicadécio entranhado nas mãos não salvou os homens

                                                                                    nem a mim

E ontem ganhei mais dois dias de vida com essa dor

Agora transformada em corpo inteiro, recheado de gritos

 

E do aço dissolvido nas lágrimas ferventes, eu oleira, bordadeira

Escafandrista na minha própria alma, adormeço fabricando armas

 

Hoje não suporto talhos, arranhões, nem tiros de raspão

Só quero aquilo que rasga, lacera, atravessa

                                                                   

                                                                   Arrotei, desculpe-me,

É que acabo de comer dois corações e por enquanto me acalmo

 

 

Silvia Góes



Escrito por Gustavo de Castro às 11h42
[] [envie esta mensagem
]





HISTÓRIAS INFANTIS E CONTOS DE NADA - PARTE II

(Com Florence Dravet)

 

AS MANCHAS DA GIRAFA

 

 

A girafa perguntou para a outra:

        Por que eu tenho essas manchas pretas no meu corpo todo?

E a girafa mais velha contou:

“Quando Deus criou a girafa, ele a achou muito sem graça assim toda amarela. Então Deus disse:

        Está faltando alguma coisa.

Mandou  chamar o pintor do céu, o mesmo que pintou o céu de azul, e disse:

        Veja: acabei de criar as girafas, mas estou achando elas muito sem graça com essa cor só. O que você me sugere?

E o pintor do céu respondeu:

        Senhor, vou olhar nas minhas tintas qual é a cor que melhor serve.

E ele trouxe o verde, o laranja e o preto. Colocou as latas de tinta no chão do céu e começou a falar sobre as cores. Empolgou-se com o assunto e, sem querer, tropeçou na lata de tinta preta. Caiu do céu então uma chuva preta sobre todas as girafas. Elas bem que tentaram tomar banho para limpar o preto. Mas Deus achou as girafas bonitas assim enfeitadas e não deixou que a tinta saísse. Desde então, nós as girafas temos manchas pretas por todo o corpo”.



Escrito por Gustavo de Castro às 21h46
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]