Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


NOS OLHOS DA LUA CHEIA

Conserva teu candeeiro desperto

em fogo de noite. Conserva

teus humores decerto

em água de fúria

em banho de mel.

 

O que sabes

do além da luz

do aquém do céu?

 



Escrito por Gustavo de Castro às 13h31
[] [envie esta mensagem
]





NENHUM DIA SEM POESIA

Em Brasília, A Escola das Nações, está com o projeto "Nenhum dia sem poesia". Do primário em diante, em cada sala de aula, há um mural no qual os alunos adicionam poesias feitas por eles e por autores diversos. Além disso, todos os dias, os pais dos alunos recebem, por e-mail, um poema. 

E tudo vai terminar no dia 10/5 com a feira do livro da escola. A escola está convidando vários poetas e escritores para irem até lá, lerem os seus versos e falar com as crianças. Eles também estão convidando avós, tios, tias etc, para irem recitar poemas ou contar histórias.

Outro dia, a poeta Lília Lustosa encontrou seus dois filhos, um de 8, outro de 6 anos,  tentando, cada um, escrever o seu próprio poema. Sem interferência dela, João Pedro, de 8, e Nina Lustosa, de 6, escreveram os seguintes versos:

  
O deboche
 
Ele debocha de você e você debocha dele.
Quem debocha de quem?
 
João Pedro - 8 anos
 
 
Sobre a Páscoa
 
Eu não sei porque ninguém sabe o que a Páscoa significa.
Pois eu sei. Foi porque o Jesus morreu na sexta e nasceu de novo no domingo.
 
Obrigada por lerem este poema.
 
Nina - 6 anos


Escrito por Gustavo de Castro às 16h45
[] [envie esta mensagem
]





MARINHEIRO

Tive quarenta barquinhos de papel lançados ao mar.

 

Em todos eles segui rumo a desertos:

 

Em Atacama, naveguei as chuvas.

No Saara, mergulhei-me símbolos.

No Sertão, bebi riacho até acabar.

 

Com meus quarenta barquinhos de papel

Naveguei mil corações.

 

(Porque ou ser mil vezes corações

Ou não ser coisa nenhuma).

 

Com meus quarenta barquinhos de papel

Ganhei todas as guerras

Descobri todos os continentes

Pacifiquei todos os povos.

 

Fui ao fim do mar.

 

 

Quando minha frota foi ao fundo

Finalmente

Descansei azul

Mil corações.



Escrito por Gustavo de Castro às 17h24
[] [envie esta mensagem
]





CAMINHOS DE FLORESTA

Volto às colinas da Laje da Jibóia para passar um dia inteiro no mato. Chego cedo, caminho sozinho com um cajado improvisado dos galhos de madeira cortada. O dia está lindo. Faz sol intenso e há muitos passarinhos. Logo passam três araras azuis voando. Fico a zanzar de um lado para outro da floresta até chegar numa pequena grota. Do meio da mata, surge uma composição de pedras altas, cheia de musgos. Dali, vejo um filete d'água cair dois metros, formando uma pequena piscina. Logo em seguida, mais a frente, a piscina desemboca sobre outra parede de pedras, fazendo surgir outro filete de água, que cai novamente dois metros. Páro e contemplo demoradamente o lugar. Não há nada a não ser a floresta com suas árvores que ser erguem 30 ou 40 metros acima das minhas idéias; as pedras úmidas que guardam o segredo dos tempos; os filetes, as pedras, o córrego que desce colina abaixo em seu múrmurio aquoso. Sentado numa pedra alta e fria, fecho os olhos por alguns instantes para ouvir a música da mata.

Do nada, no meio desta tranquilidade, surge um homem caminhando. É um mateiro. Vem devagar, bêbado, pela floresta. Ao me ver, pára, acena, diz que vem em paz. Noto que o homem tomou todas. É domingo, afinal. Seu nome é Edilirson. Baiano, como é mais conhecido, está nestas bandas buscando seus sonhos: é cantor, diz, mas trabalha em qualquer coisa. Neste momento está capinando mato. "Tomou uma?", pergunto. "Uma não, tomei dez", responde. Ficamos rindo. Contou que foi vender uma bicicleta, mas o comprador, antes, ofereceu uma pinga para ele tomar. Ele foi bebendo, bebendo, até descidir ir embora. Foi quando o comprador perguntou pela bicicleta. O baiano então respondeu que havia desistido de vender. "Queria vender a bicicleta para tomar umas. Mas agora que tomei, desisti". Ficamos a rir, novamente.

Baiano então diz: "Viver sem dinheiro é viver torto. Como um bêbado". Fico calado pensando nas suas palavras quando ele decide ir embora. Nos despedimos sem cumprimentos. Apenas acenos.

Fico-o observando seguir com seu andar trôpego, que logo desaparece entre as árvores.

Volto o meu olhar para a floresta e o rio que a corta. Vejo que o córrego também segue torto e só pela mata, como Edilirson, o baiano.



Escrito por Gustavo de Castro às 18h40
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]