Arquivos
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 15/02/2009 a 21/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 10/02/2008 a 16/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 16/12/2007 a 22/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 02/12/2007 a 08/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 07/01/2007 a 13/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 24/12/2006 a 30/12/2006
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Editora Casa das Musas
 Blog do Samarone Lima
 Blog da Gabriela Leite
 Blog do Tião
 Babelia
 Blog da Liana Aragão
 Blog da Danyella Proença
 Blog do Lauro
 Blog da Maria Moura
 Blog Lauravive
 UOL - O melhor conteúdo
 popfabi




RAZÃO-POESIA o pensamento poema www.casadasmusas.org.br
 


O LIVRO DO DESASSOMBRO

1.

Pois que a primeira das feiticeiras se apresentou com Sete Luas nos pés. Trazia nos cabelos os silêncios de sua geração.  Olhos de lonjuras, destes que assumem devidamente profundezas e infernos; tipo esguio, indu, era daquelas que tinha a ciência de seu caminhar. Seu porte divisava os ombros das dançarinas de Tango, numa cupidez tal - numa afronta tal - de deixar qualquer orquídea envergonhada.

A feiticeira disse que, na passagem de ano, todos deveriam apagar as luzes das casas e acender uma vela. E esperar silenciosamente a passagem. Esperar um minuto ou mais. Esperar. Na passagem da meia-noite do tempo, uma vela serviria para desassombrar as angústias. O tempo, dizia ela, tinha fome de gente. Antes de iniciar qualquer coisa, deveríamos primeiro acender a nossa vela. A nossa. Depois cuidaríamos de calar instantes o ano inteiro.

 

2.

A feiticeira Gitana foi a segunda a chegar. Trazia um pandeiro pendurado à saia, uma rosa domesticada entre os dentes e fazia ares de amor. Sem dizer nada, começou a girar pela sala; acendeu cigarro de menta e um brilho antigo se instalou nos seus olhos. Era um brilho que arrumava horizontes. Estranhamente, depois de alguns segundos, passou a falar amenidades: que a maré alta seria às 21 horas e 15 minutos, e os peixes não davam o ar da graça semanas a fio, e os pescadores nas docas só falavam gaivotas, e assim por diante... A Gitana passou a falar a perder de vista. E a perder de voz. Disse que veio me ver por que estava com a saudade invertida, o que não acreditei, obviamente. Vocês sabem, ela trazia uma rosa entre os dentes.

Para o meu sossêgo, ambas (rosa e cigana) estavam domesticadas. Domesticadas de amor.

 

3.

Em terceiro lugar, nos princípios da lua crescente, chegaram dois anjos breves. Enquanto um não parava de sorrir o outro não parava de ventar.

 

4.

A feiticeira do norte, dama dos vinhos e das hortaliças, chegou um pouco atrasada. Trazia peso no caminho. Tinha preparado cestos de rúculas, acelgas, espinafres, coentros e alfaces, potes de mel com castanhas pesavam mais que as garrafas de manteiga e azeite. Havia também salames franceses que ela cortou diligentemente em rodelas. Mas foi o vinho que fez a alegria de todos.

Ao abrir a primeira garrafa, ela deu três vivas ao Sol e saboreou o primeiro gole como se beijasse a boca de uma criança pagã.

 

5.

Quem chegou por último misturava a capacidade de ser igualmente bom e mau. Um minuto antes da meia noite, transformou-se em andorinha e foi buscar a manhã no horizonte seguinte. Me disse depois que teve um trabalho danado. Voou sobre o Atlântico durante toda a noite, tomou a aurora pelo bico e a trouxe de volta. Disse que sentiu, enquanto voava, que as franjas do ano estavam carregadas de levezas diversas. Diversas.

- Aproveite, disse a andorinha, quando voei de volta, senti no bico muitas levezas. Diversas. Algumas delas me pareceram saborosas. Inteiras e completas.   



Escrito por Gustavo de Castro às 20h52
[] [envie esta mensagem
]





Fragmentos de Malassombro

Em Piranji meu pai inventou de construir um labirinto. Era a sua forma de nos fazer solidão.

Pediu a Raimundo, o construtor, que fizesse um labirinto todo branquinho, cheio de corredores e entradas falsas, aberturas aqui e ali, fossos, alas que não levassem a lugar nenhum, com subterrâneos, escadas, muros alternados em L, paralelos ou perpendiculares. Não sei de onde meu pai tirou esta história de labirinto, já que era semi-analfabeto. O que sei é que levou 40 anos construindo este lugar, que ainda está todo branquinho.

Hoje volto a visitar o lugar com a lembrança daquele fantasma cabeludo, curvado, "vestido" todo de branco, barba antiga, que avançou para cima de mim quando eu era criança, exatamente nestes corredores. Era o fantasma-ancião com seu cajado de cristal-estanho. Enquanto me perseguia, esbravejava: "Sou Jesus, seu estúpido, sou Javé, estou velho, desamparado e só!" Dizia isso para se achar. Não passava de fantasma-pedinte-ancião. Destes que encontramos nas ruas em qualquer noite malassombrada.

Apesar de tudo, gosto deste labirinto. Nele aprendi infâncias de solidão. Nele cultivei vasos e xaxins de manjericão, alevantes e canas-do-brejo. Nestes corredores reinventei minha solidão. A cada manhã, começava caminhando por sua face oriental, na parte da colina onde o sol não bate. Naquela parte, me detinha no salão das espadas, passava pelas coleções de butins náuticos: pedestais e bússolas, mastros, sinos-de-convés achados nestes mares. A certa altura, me perdia aqui, ali, nos flancos da torre norte, nos umbrais dos porões, nas passagens levadiças. O que parecia uma escada era na verdade um batente que iniciava sua espiral ascendente, que era logo interrompida por uma parede branca. Aproveitava e me sentava. Acendia ali um cigarro de orégano e dava dois tragos profundos.

Como se faz para deslembrar a visage do nada? Aquele velho correndo atrás de uma criança no corredor. Sei. Não importava para ele que a criança fosse eu. Aquele fantasma, hoje sei, veio até mim como quem me condena a ser como ele: torto e branco!  Hoje retorno aos corredores desta prisão com a esperança de ver novamente aquele fantasma. Aguardo-o, mas ele não vem. No fundo, acho que nem os fantasmas se interessam mais em vir me assustar.  

Será que o invisível ainda comove?

Agora já não sei o que foi mais perturbador na minha formação. Se ter tido infância de labirinto ou se ter aparentado com fantasmas desde cedo, como se fosse a coisa mais normal do mundo. Acho que ambos.

Sim, acho que posso dizer o óbvio:

Ser fantasma foi a forma que encontrei de ser labirinto. Ou será o contrário?



Escrito por Gustavo de Castro às 00h08
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]